Pandemia prejudica leilões de gado e transações online ganham força

Com as medidas de isolamento impostas para conter o avanço do coronavírus, como a proibição de eventos com aglomeração de pessoas, pecuaristas têm buscado opções à ausência dos leilões presenciais. Uma alternativa que começa a se mostrar vantajosa é a compra e venda de animais por meio de aplicativos, como o CompreGados.

Em pouco mais de seis meses desde seu lançamento, o app já registra mais de R$ 500 milhões em anúncios dentro da plataforma e mais de R$ 166 milhões em negócios realizados por meio da compra e venda de 83 mil animais.

Segundo o idealizador do CompreGados, o empreendedor paulista Ciro Thiago Neto, 25 anos,  os leilões presenciais já vinham perdendo espaço no Brasil para os leilões virtuais e aplicativos, e com a pandemia a tendência é este movimento se intensificar agora e se estabelecer no pós-crise. Pois há uma série de vantagens, para quem compra, para quem vende e para os próprios animais.

“Além de proporcionar a compra e venda de um lote de onde você estiver, pelo aplicativo você não tem o custo que gera um leilão, de logística para transportar esses animais e pelo desgaste que esses deslocamentos causam ao animal”, explica Ciro.

Filho de Sidiney Pereira Thiago, que fundou em 1989 ao lado do empresário Márcio Haddad e de outros sócios a Leilões Anísio Haddad, Ciro cresceu sob os ensinamentos do pai, pecuarista e proprietário de fazendas no interior de Goiás e de São Paulo, e aprendeu ainda muito jovem tudo sobre o ofício, ao mesmo tempo em que foi desenvolvendo a veia empreendedora.

Em 2017, lançou as bases do que mais tarde se tornaria o CompreGados, com o diferencial de saber exatamente o que o negócio precisava para dar certo.

“No negócio de gado você precisa ser direto. Nosso aplicativo não foi o primeiro a ser lançado nem é o mais ‘bonitinho’, mas é certamente o mais fácil de mexer. É simples, prático, que é o que o criador precisa”, diz.

Ação social

No início da quarentena, o CompreGados realizou um leilão beneficente que arrecadou mais de R$ 400 mil. O valor foi destinado para a compra de suprimentos para hospitais e santas casas de São José do Rio Preto e região no combate à Covid-19. O leilão contou com astros da música sertaneja, como Gusttavo Lima e Luan Santana, e do esporte, como Neymar, Pelé e Emerson Fittipaldi, que colaboraram doando itens para serem leiloados durante a ação.